segunda-feira, 11 de junho de 2012

Frases do Dia - reciclando lucros

"There has never been a purely 'Smithian' market; and we know from copious experience that well-intentioned artisans do not normally survive the competition. If the skilled bakers of France survive today, it is thanks to subsidy. To put it no finer, the state recycles the profits of capitalism in its less appealing forms to sustain the more aesthetically appealing marginal enterpreneurs."

Do último Tony Judt, Thinking the Twentieth Century, que finalmente terminei de ler. O último capítulo tem uma das críticas mais inteligentes e pertinentes sobre o capitalismo atual que já li, durante a semana coloco alguns trechos aqui.

E seria bom se a reciclagem de lucros fosse só para atividades de apelo estético. Hoje em dia, vemos dinheiro de arrecadação pública sendo reciclado, para ficar em poucos exemplos, em:

- Companhias aéreas (que deveriam ser reconhecidas como bem público, ainda que moralmente isso seja muito difícil de ser defendido. Daí, creio, a preferência por um modelo que envolva o setor privado);

- Times de futebol, sempre gastando mais do que conseguem arrecadar e renegociando dívidas;

- Shows do Elton John pagos por banqueiros para seus amigos e convidados.

A lista pode ir longe. Agradeço ao Iconoclastas e ao André Poffo por uma discussão desse grande tema no twitter, devo voltar a ele no futuro.

5 comentários:

Igor T. disse...

Para ser franco, achei que essa afirmação do Judt não é das mais felizes. É claro que, quando Smith faz suas observações, não quer dizer que a prática seja (ou foi) exatamente assim. Ademais, o fato de haver subsídios em determinada atividade, não significa que funcionamento da economia se deva/devia a eles, mas apesar ou independente deles. Enfim, a questão pode ser colocada de várias maneiras a fim de entender o que Smith articulou (a meu ver, com maestria), e Judt não optou pela melhor.

As críticas mais pertinentes de Judt, são direcionadas ao culto da democracia. São de fato agudas e melhor embasadas e articuladas. Mas quando ele entra na seara econômica, acho que, no geral, falta um toddynho.

Mas pra não parecer que desgosto de um autor que, na verdade, tem minha admiração, deixo um link para um artigo maravilhoso dele:

http://www.nybooks.com/articles/archives/2012/mar/22/intellectuals-and-democracy/

Drunkeynesian disse...

Não estou com o livro aqui pra pegar outra citação, mas o que ele considera como 'Smithian' é muito mais a leitura ultraliberal que se faz dele do que propriamente o que o Adam Smith escreveu. Diversas vezes no livro ele cita as obras do Smith para mostrar que ele (Smith) dava muito mais importância ao entorno político, moral e social do que se costuma estereotipar.

Esse trecho que você linkou é mesmo muito bom.

Igor T. disse...

Nesse caso, estou plenamente de acordo.

Pedro disse...

a tempo...

http://www.bbc.co.uk/news/business-18391523
The International Air Transport Association (Iata) has almost doubled its forecast for losses at European airlines to $1.1bn (£706m) for 2012.

Drunkeynesian disse...

Isso com o petróleo tendo caído de novo pra perto de $80...