quarta-feira, 19 de junho de 2013

Uma parada súbita no Brasil?

Do alto das minhas burrice e teimosia, ainda estou tentando entender qual foi o trem que passou por cima dos ativos brasileiros. Não consigo aceitar a simples e popular tese de que investidores estão deixando o país porque a política econômica é ruim ou algo do tipo. Não que isso, em certa medida, não seja verdade; apenas acho que nada piorou muito com relação a, digamos, o final do ano passado.

Uma parte do movimento é global, direcionado a mercados emergentes. A maioria das moedas desses países perdeu valor contra o dólar, e a possibilidade de alta de juros nos EUA despertou um temor que falte financiamento para quem tem que cobrir déficits em conta corrente. A intensidade da queda do preço de ações e títulos de renda fixa brasileiros nas últimas semanas me faz desconfiar que a percepção desse risco embute alguma urgência, e que o país pode estar começando a sofrer com uma clássica parada súbita de financiamento externo.

Há boas razões que justificariam uma parada súbita no Brasil: as contas externas vêm se deteriorando rapidamente; a taxa de câmbio segue muito valorizada, oferecendo baixa margem de segurança para novas aplicações de estrangeiros; há grande decepção com o retorno de investimentos passados; o problema de inflação ainda parece longe de ser contornado. Porém, há tantas outras para que o Brasil não esteja na linha de frente caso o tema seja mesmo de falta de financiamento para emergentes: o estoque de reservas internacionais é relativamente grande, a dívida soberana é das poucas a pagar juros reais positivos e não depende tanto de estrangeiros para ser rolada, o sistema bancário é bem capitalizado e não empresta em moeda estrangeira; e, pô, no fim das contas, a Monica Bellucci veio morar aqui.

Já escrevi inúmeras vezes aqui que o tamanho da queda do Brasil é proporcional ao tamanho da ilusão de sua subida. Tenho me provado consistentemente errado ao achar que o pessimismo era extremo, mas ainda não consegui me convencer de que o Brasil tem os piores fundamentos, que justifiquem o pior mercado de ações do mundo por tanto tempo e juros longos de volta a 11%. Continuando essa situação, porém, as narrativas devem aparecer; sigo buscando alguma coerente.

32 comentários:

Anônimo disse...

Quer fundamento melhor que a descrença no futuro?
Sinergia entre a desconfiança, má reputação e insitência no que não é crível, ou não é um rígido pilar...

www.avaaz.org/po/petition/Impeachment_da_Presidente_Dilma_1/?fxPYJdb&pv=21

Drunkeynesian disse...

Por que o futuro da Turquia ou da África do Sul parecem tão melhores que o daqui?

Brazilian Bubble disse...

A parada subita eh o antonimo da enxurrada de dolares que vieram pro Brasil entre 2005-2011... entao, se ja houve uma enxurrada de dinheiro especulativo estrangeiro (que inflacionou praticamente tudo no Brasil, inclusive a Bovespa que eh feita de 60-70% por capital gringo), por que nao pode ocorrer o movimento contrario? "Mean Reversion" eh o que sempre acontece nos Emergentes. Quando a Bovespa subiu 100% ate 2007, todo mundo achou que o Brasil era a maior maravilha, nao era. Pura especulacao. Nesse ano a Bovespa ta quase 25% down e todos acham uma porcaria... talvez nao seja. Mas a verdade eh que o Brasil nao mudou muito estruturalmente, continua dificil de fazer negocios... parece que ninguem via isso quando tudo estava bem. Mas a realidade resolveu bater na porta. Esperamos que haja um repique nos ativos... mas eu, particularmente, sempre disse (no blog, inumeras vezes), que ate o Real descer pra 2,50 nao tem negocio atraente no Brasil.

Drunkeynesian disse...

Gosto do argumento de reversão à média e concordo que o câmbio é muito errado; acho estranho o timing e a divergência ser tão grande. Em boa parte do mundo, câmbio desvalorizando ajuda bolsa, aqui isso não tem acontecido...

Anônimo disse...

É aquele maldito cristo redentor da economist.

Maradona disse...

Indigestão, parada súbita, pro gringo com cota e Var diários estar aqui é um perigo cambial. E o lote é grande! Tem o risco inflação e também o risco selic, tem o risco china e o risco negação da realidade que acontece a cada eleição (independente do partido). A parada é que a indigestão iria rolar mesmo que o Friedman fosse presidente, o investidor meteu muito dinheiro e ficou ruim agora e ele vai culpar o Eike e a Dilma? Mas só eles fizeram cagada? Infelizmente não. Mas é bom notar que a bolsa não é a sangueira que o bovespa indica, os FIA estão em geral positivos em 12 meses (em real é claro!). Com doleta a 2,5 o fluxo começa a voltar para renda fixa e carry trade. Mas o BC fica na melda e Dna Bronca vai ter que quebrar a cabeça para a eleição! E o que vai sair daquela cabeça iluminada?
No bolão aqui eu apostei no México hoje (já estou arrependido) e estou comprado em ntnb e doleta. Torço para acertar duas das três apostas.

Fat Tony disse...

Você matou quando disse que o tamanho da queda é proporcional à ilusão da subida. É exatamente nisso que o Brasil se diferencia de Turquia, África do Sul e outros: o mercado se iludiu com a capacidade do Brasil crescer rapidamente de maneira sustentável e apostou mais alto aqui do que no resto.

Ainda mais, como está muito fácil arrumar desculpa pra sair do Brasil e pelo fato de a liquidez ser muito mais alta aqui do que na Hungria, por exemplo, faz sentido o movimento de reversão ser brusco

Anônimo disse...

A maior empresa do país quanto mais vende, mas prejuízo dá

Anônimo disse...

Bons comentários, inclusive o do cristo redentor haha

Drunkeynesian disse...

O melhor do blog são os leitores :)

Anônimo disse...

Drunkeynesian, mate o Keynes logo

testa um choque negativo de tecnologia, pode batizar de efeito Dilma

um choque negativo de tecnologia reduz a produtividade, se a perspectiva é de que o choque tenha origem política e continue, não é aumento do volume de emprego ou estoque de capital que vai ajudar

a renda vai cair e os ativos vão cair mais ainda (em parte precificam o futuro)

Calibra um modelo que nem do Sargent e manda bala !

Anônimo disse...

É tudo isso escrito acima e a expectativa pela correção violenta que deve haver nos índices americanos. eles estão esticados, esperando um gatilho que ainda não veio (o discurdo do fed está calculado como nunca, o resto do mundo tá morno); mas uma hora o acerto vem. Aí vamos para algo perto de 40k ou menos no ibov e vai ser uma boa hora de comprar. Comprar com critério.

Anônimo disse...

Pelo visto, temos muitos gênios previsores do futuro. Devem estar todos bilionários. Eles possuem o livro do Biff

Anônimo disse...

Mais prejuízo... É o corretor do celular. Fed falou hoje.

Vinicius disse...

"Em boa parte do mundo, câmbio desvalorizando ajuda bolsa, aqui isso não tem acontecido..."

Pois é, até comecei a comprar na expectativa de que dessa vez não é (seria?) diferente.


Quando se exclui o império X ainda fica ruim na comparação com as outras bolsas?

Tem que dar atenção ao endividamento corporativo externo também.

askanio disse...

Dizem que o foguete que impulsionou o Cristo Redentor era COREANO do Norte.

Anônimo disse...

Pelo visto, temos muitos gênios previsores do futuro

É o presente, vc q ainda não notou! Mas se não tá comprado vai poder aproveitar também.

Feliz navidad... disse...

É DKLRS, pelos números você morreu pela bolsa...ops pela boca...


E dá-lhe OGX...

Compre a 0,01...eis a dica...

Drunkeynesian disse...

Sim, equipe do Deutsche deve estar sapateando em cima desse post:

http://drunkeynesian.blogspot.com.br/2013/04/i-like-eike.html

Blog para receber econoespaco disse...

Concordo com sua afirmação que a situação do Brasil não piorou muito em relação à dezembro de 2012. O que ocorreu é que alguns países tiveram melhoras... daí vem o clássico pensamento que investimento é igual água: procura os caminhos mais fáceis.

Anônimo disse...

O mercado em 2012 avaliava que estávamos numa fase de baixa do ciclo e que os juros reais estariam indo para patamares civilizados de maneira estrutural. Estávamos esperando a economia voltar a crescer, com inflação ou não era a pergunta. Agora o mercado refaz a conta e percebe que estávamos na parte boa do ciclo mesmo em 2012 e o ruim ainda está por vir. E as projeções sobre os juros reais e câmbio? Ninguém tem idéia. Sobre escrever cagando regra como se tivesse acertando tudo? Andei acertando muito e errando um pouco mais, espero sair melhor que entrei na crise mas nem sobre isso tenho certeza.
Maradona

Anônimo disse...

Não acho que o Brasil tenha os piores fundamentos e acho que agora a coisa está descendo mais do que devia. O pânico!

Dois comentários:

Já salientei uma vez, e repito agora, um aspecto paradoxal de sua análise: você apontou corretamente há uma ano atrás a queda da Vale e do preço das commodities. Levando-se em conta a composição da bolsa, é normal a queda, tendo em vista que nossas principais empresas ou estão vinculadas ao mercado interno ou são exportadores de commodities. Não há hoje no Brasil um setor industrial forte que se beneficie da desvalorização do real.

Segundo ponto: O que há de relevante acontecendo no Brasil hoje é o fim do sonho do Brasil grande. Acredito que esse fato em si seja extremamente positivo e que daí possa surgir soluções de longo prazo para os sérios problemas que enfrentaremos adiante. A questão é se o governo irá se enveredar por este caminho ou preferirá a demagogia. De qualquer forma, acho que a crise é boa, porque freia a gastança que o governo vinha prometendo.

Abraços

Drunkeynesian disse...

Tem toda razão, eu abandonei o tema da fraqueza das commodities antes dele se desenrolar. E, de fato, bolsa brasileira não existe sem commodities.

Também tem razão quando se refere à crise como catalisador de mudanças, é muito mais fácil mudar saindo de uma situação ruim do que quando está tudo bem.

Anônimo disse...

Comprei bolsa a 46k e sei que nao volta mais pra esse patamar, só daqui em 3 anos, 2 meses e 4 dias.

100 contratos de INDc1 pro papai...

Pena que tem gente comprado em bolsa desde o 56k...Chora...

Marcelo Vasconcelos disse...

To com uma graninha. Nunca entrei na Bolsa e to achando que chegou no fundo do poço pra comprar. Será?

Anônimo disse...

Em suma, não tem mais jeito. Há pouco tempo, a presidente recebeu Beluzzo, Nakano e Delfim. Ao que tudo indica, sem Mantega. O Nakano, pouco depois, sugeriu uma paulada nos juros. Ou seja, um cavalo de pau na forma atual de fazer a politica econômica.
Agora, Estadão, o ex-presidente teria conversado com Meirelles, sem Mantega, é de crer-se e teria sugerido-o para a Fazenda.
Com isso tudo, que ativo existente consegue trazer algum resultado bom por aqui? Ou menos pior?
O ativo de 2003/2010, vendeu o ativo 2011/2014. O ativo 2011/2014 quer continuar. Só que o ativo que gestou, PIB abaixo da inflação, inflexou para baixo o voo do Cristo da Economist.
O ativo "X" incensado nos tempos de glórias e pré-sal, não tem sequer uma gota de petróleo e nem arrumou a entrada de Santos até o Porto, como diziam que faria.
Assim, caros, nunca mais o Redentor vai voar.
Afinal, quem foi que acreditou que aquele monte de pedra poderia voar? A comparação com bezouro não vale.
O melhor ativo brasileiro, hoje, denomina-se furdunço.


Anônimo disse...

Menino gordinho...drunLRSkeynesian...

Conte-nos desde que preço está comprado em bugiganga (ie. Ibovespa)?????????

tom wolf

Anônimo disse...

Só uma (importante) correção: até a Monica Bellucci já desistiu do Brasil. Ela não vem mais pra cá. Resolveu (acertadamente) morar em Paris!

Anônimo disse...

Só uma (importante) correção: até a Monica Bellucci já desistiu do Brasil. Ela não vem mais pra cá. Resolveu (acertadamente) morar em Paris!

Anônimo disse...

Só uma (importante) correção: até a Monica Bellucci já desistiu do Brasil. Ela não vem mais pra cá. Resolveu (acertadamente) morar em Paris!

Anônimo disse...

Fazendo o papel de advogado do diabo quando você diz: " a dívida soberana é das poucas a pagar juros reais positivos e não depende tanto de estrangeiros para ser rolada, o sistema bancário é bem capitalizado e não empresta em moeda estrangeira; e, pô, no fim das contas, a Monica Bellucci veio morar aqui."
1) Esses juros reais são consideravelmente pequenos e tornam-se negativos se você levar em conta que não temos BC independente e o controle da inflação (e da economia em geral) vem sendo, no mínimo negligente, fora o já citado risco cambial.
2) O sistema bancário perdeu rentabilidade e não se sabe o que pode acontecer caso um repique mais forte da inflação estrangule o crédito e provoque um downgrade na classe média recém emergida e endividada, alguns bancos estão mais a frente na questão de ajustes, outros tem algumas caixas pretas ainda em digestão.
3)Monica Bellucci... esse é o melhor e mais bonito argumento que vc já usou !!
Veja bem, concordo que alguns preços caíram muito até porque enquanto os índices gringos batiam recordes, nós já andávamos pra trás...até chegar nesses 47.000. Mas os lucros também não estão crescendo as taxas esperadas ou até andando pra traz, o que os grigos estão precificando é que está difícil por enquanto ver uma inflexão na retomada que melhore o denominador do P/L.
Ufa!
Abs
SPIN

Anônimo disse...

Quem sabe se volta o Meireles o mercado retoma a confiança?
Mgli