segunda-feira, 19 de novembro de 2012

Eletrobras

Eu achando que seria bom comprar semana passada a preços de 2005, voltou a preços de 2002. Sobrou para alguém a conta da energia mais barata.


P.S. Mais no Valor. Parece mesmo exemplo de livro do "starve the beast" dos anos Reagan, que mencionei no post anterior falando da Petrobras. Não canso de me surpreender com a Dilma.


P.P.S. Relatório do Santander sobre a situação da Eletrobras.

40 comentários:

João Galt disse...

diziam que seriam a proxima Petrobras, lembra ? Ta quase lá mesmo

Drunkeynesian disse...

Era o contrário - a Petro que estava seguindo o script da Eletro. Se vale a analogia, ainda tem muito valor pra ser destruído...

Daniel V. disse...

Imagine o primário se gov. aplicasse MtM

Jorge Browne disse...

Ei DK, sabes de alguma(s) fonte(s) explicativa sobre essa discussão toda? Do ponto de vista das ações é um horror mesmo, mas com uma das energias mais caras do mundo alguma coisa mais cedo ou mais tarde teria que ser feita.

Drunkeynesian disse...

Não tenho acompanhado a fundo, mas dá uma olhada no link do Valor que coloquei depois no post. Se for verdade, o governo está sendo bem maquiavélico, ao mesmo tempo baixando a conta e passando um facão na estrutura da Eletrobras.

Jorge Browne disse...

Tudo muito complicado, o que consegui em alguns minutos de pesquisa:

Sinal verde:
Mantega e Augustin.

O sinal amarelo:
Pinguelli e Mario Veiga.

O sinal vermelho:
D´Araujo.

E o Plano B do governo.

Anônimo disse...

Mas, não seria o caso de cortar na estrutura e não na receita?
Do lado da receita deveria pensar mais em produtividade.
Ou as coisa na economia brasileira estão mesmo muito confusas?

Drunkeynesian disse...

Devem ter concluído que, na prática, o único jeito de cortar na estrutura é secando a receita. Realpolitik na veia.

iconoclastas disse...


mas a eletrobras provavelmente vai aumentar a participação dela no sistema assumindo concessões que não serão renovadas por outras empresas...essa estória soa a mais um corte do estilo deste governo, daqueles que as despesas crescem, e depois aprontam alguns malabarismos contábeis.

Anônimo disse...

E bota beast nisso!!!!

Delfim Bisnetto disse...

Se for isso, acha que tem alguma chance de dar certo?

Não vai simplesmente colapsar as contas da empresa?

Foi mais ou menos o que essa estratégia acabou fazendo com as contas fiscais dos EUA...

Thiago disse...

Caros, é conhecido no setor elétrico que a Eletrobrás é uma empresa hiper mega ineficiente. Quem é do setor e acompanha as revisões tarifárias (na atividade de distribuição e transmissão) que a ANEEL realiza sabe disso há tempos. Empresas como Chesf, Furnas, Eletronorte, Cepisa, Ceal, Manaus Energia, etc..aparecem com índice de eficiencia de 30 a 40%. O que segurava a Eletrobras e ocultava o grave quadro de descontrole nos gastos eram os contratos de geração e transmissão antigos, com receita fixa (ou blindada como falam no setor) que simplesmente venceram agora. Com o fim da concessão, resta algo a ser indenizado, mas longe de conseguir compensar o fato da receita futura não mais contemplar remuneração para ativos (que já foram pagos) e custos operacionais ineficientes (que agora foram definidos pela ANEEL ao nível eficiente das geradoras e transmissoras privadas). Ou seja, o futuro é horrível, dado que demissão em massa é muito difícil de acontecer devido a força dos sindicatos nessas empresas e, mesmo que acontece por meio de PDVs, gerará um custo enorme, não previsto pela empresa, de forma imprudente. A única salvação é o governo simplesmente dar (ou doar?) mais 30 anos de concessão sem condições alguma, o que parece ser impossível, e pra falar a verdade muito injusto.

Thiago disse...

Há mais notícias ruim ainda, que chegará com as revisões tarifárias do terceiro ciclo de revisão das distribuidoras do grupo Eletrobras. Acho que em 2 anos no máximo as distribuidoras do grupo serão privatizadas, ou talvez segurem até passar as eleições de 2014.

Anônimo disse...

Mas não afetou somente a eletrobras. A TRPL tomou um tombo de 50%. Cesp, Cemig e CPLE também. Não venham dizer que cemig é ineficiente.

A eletropaulo desmontou com a revisão tarifária.

O setor inteiro está sendo afetado. Chega ao ponto de sinalizarem preço alvo de eletrobrás a R$1,00.

Acho que deveria ter mais transparência para os minoritários entenderem o que está acontecendo e não ficar restrito a especialistas no assunto.



Qual vai ser a mágica? elpl

Anônimo disse...

O RS também tem uma estatal de energia cuja principal função é pagar causas trabalhistas. O que sobra eles gastam em energia.

Rafael disse...

Vocês viram a entrevista da Dilma ao Valor hoje? A última pergunta é justamente sobre a Eletrobras. Segue:

"Valor: E a questão da energia, está uma grande confusão e a Eletrobras está se queixando...

Dilma: Você acha que eu quero quebrar a Eletrobras? Agora, entre quebrar a Eletrobras e ela querer ganhar uma renda que não é dela, que é das empresas brasileiras e da população..."

É, parece que ela de fato está querendo quebrar as pernas da Eletrobras...

Thiago disse...

Quanto ao comentário de "19 de novembro de 2012 23:38":

A Cemig é muito ineficiente no segmento de distribuição, em torno de 50% (vejam resultado da metodologia do 3º ciclo das distribuidoras, que é público a cada um que tenha interesse em saber mais sobre a empresa que investe). Em geração e transmissão, muita gordura será queimada na marra agora com o fim de alguns contratos. A empresa solicita que 3 contratos de geração sejam renovados sem condição alguma, ou melhor, pede que o governo doe 30 anos de concessão gratuitamente. Ela vendeu isso como certo para muitos analistas de mercado, daí a frustração...

Quanto a Eletropaulo, afundou com a revisão tarifária mesmo, há uma especificadade em relação aos demais processos de revisão. Quem quiser ter detalhes sobre essa especificidade (http://www3.aneel.gov.br/netacgi/cobaia.exe?S1=Resolu%E7%E3o+&S2='2012'&S3=&S4=&S5Mask=Eletropaulo&l=20&SECT1=IMAGE&SECT4=e&SECT6=HITOFF&SECT3=PLURON&SECT2=THESON&SECT5=BIBL04&S6=legislacao&d=BIBL&p=1&u=http://www.aneel.gov.br/biblioteca/pesquisadigit.cfm&r=3&f=G&S5=Eletropaulo+N%E3o+'OFC+OF%CDCIO')
Outras empresas passaram por revisão do 3º ciclo e as ações subiram, vide Coelce.

Thiago disse...

Minha opinião pessoal sobre a queda geral nas ações do setor (Transmissão Paulista, CESP, CEMIG, Eletrobras, etc), é que as empresas e analistas tinham a certeza que o governo iria salvar a Eletrobras (não licitando e renovando sem condições ou com condições extremamente benéficas). Assim, como o i) critério para renovar seria o mesmo entre a Eletrobras e as demais empresas do setor e ii) a Eletrobras é a mais ineficiente de todas, resulta que todas as empresas iriam se dar muito bem. O problema é que se está exigindo, conforme divulgado no site do Ministério, condições de eficiência ao nível das empresas eficientes do setor, e outras condições para renovar "duras" (antecipar em dois anos o fim do contrato, por exemplo).

Anônimo disse...

Com relação à coelce(coce3 e 5) existe um subsídio pelo fato de estar localizada no nordeste que dificulta a comparação com outras empresas.

Desconhecia o nível de ineficiência da cemig, o que desviava a atenção era o crescimento através de aquisição de outras empresas do setor, apesar do crescimento do endividamento.

Jorge Browne disse...

Thiago, aproveitando a crítica do (provável) compatriota acima, tens alguma avaliação da CEEE?

JGould disse...

Uma coisa é certa! Quem "shorteou" vai tomar caixas de Cristal no Reveillon!

Anônimo disse...

Engraçado que os (pseudo) liberais agora querem que o governo salve uma empresa estatal bastante ineficiente, com o argumento bem cretino de "manter capacidade de investimento", "quebra de contrato" (como se respeitar o fim do contrato fosse quebra de contrto). Além disso, a empresa aceita se quiser a renovação ora, caso não aceite irá para leilão, que é a regra constitucional.

Thiago disse...

Jorge, a CEEE distribuição é a pior empresa do setor elétrico em quase todos os critérios possíveis. Difícil um documento da entidade reguladora que não demonstre isso.

Jorge Browne disse...

"é a pior empresa do setor elétrico em quase todos os critérios possíveis".

Faz sentido. Obrigado.

Anônimo disse...

Drunk, desculpe pelo off topic, mas você possui aquela análise que foi postada aqui uma vez sobre o tamanho do mercado financeiro e o tamanho da economia real? Em dados monetários mesmo, do quão encontrava-se alavancada a economia e tal... Não estou achando, obrigado.

Drunkeynesian disse...

Não lembro dessa análise... tem certeza que postei aqui?

Anônimo disse...

Dilma marcou o fim do gradualismo. Ela sabe que o sapo se aconstuma com a temperatura subindo vagarosamente. Então podemos esperar mais volatilidade micro e macro. E taxas de retornos maiores para alegria dos caçadores de retornos.
Dantas

JGould disse...

Para quem quer ter um bom norte sobre o assunto, basta ler a entrevista do Pinguelli na FSP de hoje.

Anônimo disse...

Eletrobrás batendo recordes de baixa.

elet3 - 6,81 - -14,98%.
elet6 - 8,39 - -14,48%.

Trata-se no mínimo uma maneira interessante de administrar uma empresa tão importante.

Jorge Browne disse...

Bom, se o preço do serviço vai cair e o lucro também (para ficar na hipótese mais amena) nada mais natural do que as ações caírem também. Não dá para se pautar pela volatilidade do mercado finaceiro

Anônimo disse...

Tenho quase certeza que foi postado aqui, vou dar uma olhada no histórico dos posts, obrigado.

Thiago disse...

O Pinguelli não sabe do que está falando, além de ter um histórico enorme de bobagens já ditas.
Leiam a entrevista do Nelson Hubner hoje no Estadão.

Anônimo disse...

Mas este jogo de opiniões contraditórias pioram o ambiente já ruim para o mercado.Basta ler a correspondência encaminhada pelo fundo estrangeiro para o conselho de administração da eletrobrás.

anonimo investidor.

Dawran Numida disse...

"Dilma: Você acha que eu quero quebrar a Eletrobras? Agora, entre quebrar a Eletrobras e ela querer ganhar uma renda que não é dela, que é das empresas brasileiras e da população...""

Oras, até bem pouco tempo, jamais ela falaria algo assim.
O que será que ele chama de "empresas brasileiras"? E "população"?
Impressionante como há indícios de que o problema não seria tanto a eficiência na geração de energia.
Logicamente, 2014 está chegando célere.

Anônimo disse...

Este é um governo populista, que para agradar aqueles que sao obrigados a votar e posar de defensor da populacao e das empresas nacionais baixa Mps ao estilo Chaves e Cristina K. Nao tem competencia de elaborar um bom projeto, encaminhar ao congresso e negociar. Que tal comecar a conversar com os estados e reduzir os 33% de peso nas contas?
Nycit

Anônimo disse...

Não tinham que diminir o peso da Petrobras no Ibov? Como é recalculado?

Anônimo disse...

Participação ($) média no volume total da bolsa. O efeito inicial da volatilidade é aumentar a participação no Índice, como ocorreu com OGX por ex. Para alegria dos gestores de FIA.
Dantas

Drunkeynesian disse...

É isso, eles calculam um "índice de negociabilidade" que nem sempre tem correlação com o market cap. O que vai ocorrer no próximo rebalanceamento é que vai aumentar automaticamente os pesos desses papéis que caíram demais, mas ainda são muito negociados.

Anônimo disse...

Dantas,

"Para alegria dos gestores de FIA."

Depende, tem uma defasagem importante neste caso. O índice irá reajustar lá na frente, talvez quando ELEBRA já tenha caído tudo que tinha pra cair...


The Anchor

Anônimo disse...

Caro The Anchor, concordo com vc. O engraçado é que sempre q acho que no Ibov o podre está precificado como tal, me sentindo estimulado a indexar, no cesto aparece mais alguma fruta podre. O caro cada vez mais caro, o podre cada vez mais podre. Meu instinto me diz para nem tentar descobrir o fundo do poço.
Alguma hora de 2015 esse Ibov deve dar algum trabalho...
Dantas