quinta-feira, 20 de maio de 2010

Fórmula 1, um indicador contrário para ações

É claro que agora tenho todo o benefício de poder olhar para o passado. De qualquer forma, aí vai o caso: a onda de patrocínios de bancos europeus na Fórmula 1, sobretudo desde 2007, pode ter sido um sinal de que essas companhias estavam perto do topo ("temos muito dinheiro fácil, que tal patrocinar uma equipe de Fórmula 1?" ). Em termos práticos: venda as ações de qualquer companhia que anunciar um patrocínio grande a uma equipe da categoria mais cara do automobilismo. Vamos aos exemplos:

ING - banco holandês, começou a patrocinar a equipe Renault em março de 2007. Anunciou o fim do patrocínio em fevereiro do ano passado:


A ação caiu 88% no período:


Royal Bank of Scotland - iniciou o patrocínio para a Williams na temporada de 2005, encerrou em fevereiro de 2009:

Ação caiu 95% nos quatro anos:


Credit Suisse - entrou na Fórmula 1 pela Sauber, em 2001, e renovou o contrato em 2005, quando a equipe foi adquirida pela BMW. Retirou-se em janeiro de 2009:


Ações perderam 60% desde 2001 (ou 44% desde 2005):


O último dos moicanos é o Santander, que abraçou a "Alonsomania" em 2007, patrocinando a McLaren. A ida do espanhol para a Ferrari, anunciada em setembro do ano passado, levou o banco a tornar-se o principal patrocinador da equipe italiana:


Seguindo o script, as ações caíram 37% desde 2007:


O Santander é o único banco que continua patrocinando uma equipe de Fórmula 1 -- e, curiosamente, um dos que menos sofreu com a crise de 2008-2009. Este ano, entretanto, as ações do banco têm o pior desempenho entre os grandes bancos dos EUA e da Europa, com queda de 27,7%. Olhando para a situação da Espanha, a conclusão é que essa queda ainda não está perto do fim.
É claro que não é o dinheiro gasto com a Fórmula 1 que leva os bancos à ruína. Acredito, entretanto, que esse é um sinal importante de excesso de autoconfiança, do pensamento de que as coisas não podem dar errado que geralmente precede as grandes quedas.
P.S. Diagramar na ferramenta do Blogger é quase pior que mexer com o Powerpoint. Quase.

10 comentários:

Anônimo disse...

Parabéns.

Excelente idéia / excelente post.

Abs,

Cabelo

Danilo Balu disse...

Post espetacular!! Parabéns! Tenho CERTEZA que se vc mandar isso pra um blog tipo o Freakonomics eles postam! Mas tem que traduzir antes hahahaha

Kanizares disse...

o RBS ainda patrocina uma equipe de formula 1.

Drunkeynesian disse...

Qual equipe?

ART PERCEPTIONS disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
ART PERCEPTIONS disse...

Excelente texto realmente. Basta saber se existe mesmo correlação entre o que você chamou de excesso de auto-confiança e derrocada dos bancos na crise do ano passado ou se foi uma mera coincidência.

Aliás, parabéns por atingir as 500 postagens no seu blog. Que venham mais 500!

Kanizares disse...

Williams, o contrato acaba este ano.

Kanizares disse...

anyway, isso não tira o mérito do post. mto bom!
não ganhando o Alonso tá tudo em casa...hehe

Danilo disse...

Sensacional!

Drunkeynesian disse...

Cachorro tem razão, RBS ainda está na Williams - o contrato termina no final deste ano, mas já anunciaram que não vão renovar:

http://www.telegraph.co.uk/sport/motorsport/formulaone/williams/4807378/RBS-abandons-Williams-as-Honda-find-hope.html