segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

De Roberto Campos para Paul Samuelson

Em dezembro de 1973, governo Médici, depois de cinco anos de AI-5, seu Roberto Campos, nosso mais ilustre liberal, enviou uma carta a Paul Samuelson "esclarecendo" alguns comentários da nova edição do seu clássico livro-texto, Economics. O documento está no site que acompanha o relançamento da série de livros de Elio Gaspari sobre a ditadura. Campos diz que o regime no Brasil é "autoritário", mas não ditatorial:

"Its most appropriate description would be a regime of 'consented authoritarianism'"

E completa:

"Solid operational democracies like the US can afford to ignore the difference between opposition and subversion."

Sendo esse um dos ícones da defesa das liberdades individuais, não é de se estranhar que o liberalismo tenha tanta dificuldade em se firmar por aqui...



4 comentários:

Anônimo disse...

do twitter. A Brief History of the Efficient Markets Hypothesis?
dia 10 de outubro de 2008? 5 dias antes do lehman? nem vi o vídeo,não estou criticando a hipótese, mas que data mal escolhida. por isso que demoraram 5 anos pra colocar no youtube.

Natalia Ribeiro disse...

Nao eh jabuticaba, esse eh um fenomeno comum. Hayek e Mises flertaram com fascismo e com Pinochet (como mau menor). A defesa pela direita dos direitos individuais eh uma simples defesa do direito a propriedade (e, derivadamente, dos proprietarios). De qualquer forma, um documento mais interessante para se falar de Brasil eh nossa Constituicao de 1824, impressionantemente liberal.

Anônimo disse...

Bom ponto: só no Brasil, liberais que defendem ditaduras e empresários que vivem de apoio governamental. Fiquei curioso: o Samuelson mudou o texto do livro depois da carta?

paulo araújo disse...

Caro

E como vão os estudos? Tenha uma ótima estadia e aproveite bastante.

Abs.

Rede Left de lavanderias

"Nunca apoiei a repressão. O AI-5 tinha um objetivo. Você estava em um momento muito difícil e tinha todo um projeto de reeditar a Constituição e fazer a eleição em 1969", disse Delfim Netto. (25/06/2013)

Afirmação foi feita por ex-ministro na Comissão da Verdade de SP. Delfim assinou documento que extinguiu direitos civis na ditadura.

Íntegra: http://g1.globo.com/sao-paulo/noticia/2013/06/delfim-netto-diz-que-repetiria-ai-5-se-condicoes-fossem-mesmas.html

Ex-ministro do regime militar, que não conseguiu se reeleger deputado federal pelo PMDB, é aplaudido durante plenária de mobilização do PT em São Paulo (10/10/2006)

Aplaudido ao discursar, Delfim afirmou que este é o momento "de resistir à volta da política que destruiu este País e impediu o seu desenvolvimento".

Lula fez a defesa de Delfim:

"O Delfim é um dos homens mais fortes deste País. Não se elegeu deputado federal porque acharam que ele foi um traidor. Ele não foi eleito por vingança de um conjunto, de uma elite de São Paulo, porque ele defendia a nossa política".

Íntegra: http://g1.globo.com/Noticias/Eleicoes/0,,AA1306577-6282,00.html

Também não é de estranhar que a esquerda tenha tanta facilidade de se firmar por aqui...