quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

Foto do Dia - Dilma & a inflação

Legal esse flagra das notas da Dilma na reunião do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (está na capa do Valor de hoje): "Afirme o controle da inflação como 1 valor em si." É isso aí (e que não seja só retórica - clique para aumentar).


18 comentários:

Anônimo disse...

o que está escrito em cima?

Drunkeynesian disse...

parece Jorge alguma coisa...

JGould disse...

"É isso aí (e que não seja só retórica..."

Os descamisados demandantes de bolsa isso e aquilo, agradecem. Pouco comentado mas, o INPC bateu em 6,63% em janeiro.

Arthur disse...

Cara, o controle da inflação não pode ser nunca nunca um valor em si.

Não me leve a mal, não acho que o banco central deve imprimir dinheiro feito louco e aumentar a demanda e isso vai resolver todos os problemas do mundo.

Mas isso é ruim por que trás maus resultados, não por que o nivel de preços é sagrado.

Os europeus entraram nessa de controle da inflação como um valor em si e tem a pior politica de demanda agregada da historia, tirando o japão e o mundo de 30.

Victor Pacheco disse...

No fim do dia economia nada mais é do que uma transação de negócios entre dois estranhos, para que ocorra é preciso confiança e a moeda é o agente que carrega esta função. (o autor desta assertiva é Dylan Grice, mas seria certamente assinada em baixo pelo mestre Milton Friedman).

Infelizmente as ações da presidenta não condizem com o discurso, que no final acaba sendo apenas peça de retórica.

Anônimo disse...

**LEIGO**

A inflação acontece quando existe mais demanda do que oferta. Correto?

Se a inflação está alta isso não diz para investidores que existe uma alta demanda por bens e serviços?

Isso não seria um bom sinal para investidores?

Desculpem a bobagem mas não sou economista.

Drunkeynesian disse...

Faltar oferta não é saudável para a economia... e se inflação fosse bom sinal pra investidores, a Argentina estaria sendo inundada de capital.

Frank disse...

OFF: vc viu aquele sururu entre o CEO da Titan (fabricante de pneus) e o Min. Francês?

é meio atrasado (20/FEB), mas só vi hj.

online.wsj.com/article/SB10001424127887323549204578316101127838118.html

divertidíssimo.

alguns trechos:

"The French workforce gets paid high wages but works only three hours. They get one hour for breaks and lunch, talk for three and work for three…

I told this to the French union workers to their faces. They told me that’s the French way!"

Drunkeynesian disse...

Hahaha, eu vi, sim... americanos nunca perdem uma chance de chamar os franceses de indolentes.

Anônimo disse...

E aí, drunk, tá difícil de encontrar boas notícias para a economia brasileira.

Anônimo disse...

"(o autor desta assertiva é Dylan Grice, mas seria certamente assinada em baixo pelo mestre Milton Friedman)."
Mestre Friedman?
Essa horas o verdadeiro mestre Keynes se revira no túmulo, pois embora morto, suas ideias e soluções estão mais presentes do que nunca.
Friedman causador de crise, não entende como se mantém um crescimento sustentado, com aumento de renda e emprego. Não com expansão de crédito, endividamento... Moeda não é só um meio de troca, armaneza valor e serve como alocação de riqueza, principalmente em momentos de crise e expectativas negativas, famosa "preferencia pela liquidez".

Victor Pacheco disse...

Friedman não preconizava aumento de crédito, desequilíbrio orçamentário, a Europa está do jeito que está por conta da política insustentável do welfare-state e os EUA por conta da impressão de dinheiro estabanada.

Também sou fã de Keynes mas os governos usam sua obra como licença para gastar, seja em tempos de crise seja em tempos de bonanza.

O segredo é equilibrio e alinhamento entre a política monetária (Friedman) e a fiscal (Keynes). Não esta coisa rídicula aqui no Brasil onde o Trombini diz uma coisa e o Mantega outra. Taí o nosso pibinho, com uma inflação beirando os 6%.

Anônimo disse...

Um cara falou que a alta de preços dá um sinal de desequilíbrio que estimularia investimentos. Perfeito, é isso que os investidores olham e os bons tentam antecipar.
Mas o problema que a inflação é a alta generalizada de preços, gerando a pergunta de onde investir. Mas é bem pior que isso, o investimento pode se reduzir inclusive porque os custos estão subindo também a uma taxa menos previsível e mais volátil. Ou seja, cria-se uma nuvem e aumenta o risco de o investidor tomar um aperto em suas margens por uma alta de custos maior. Um aumento de custos de 2% pode ser ruim, mas de 10% pode ser fatal. Um exemplo ocorreu com as construtoras nos 3/4 últimos anos: estimaram custo de construção em R$3,5mil o m2, elas venderam por 5mil o metro quadrado, seu custo explodiu a acabou virando 8mil e hoje o metro quadrado está em 10mil no mercado. É óbvio que o management foi péssimo (premissas...), mas os custos foram para a lua. Concluindo, a inflação é feia e boba.
Maradona

Anônimo disse...

Mais um pib. 2.012=0,9%. E o salário mínimo subiu 9,0%. De onde vem a inflação, ora do consumo.

Anônimo disse...

Victor Pacheco,
Se você é fan de Keynes está completamente enganado no que diz. A culpa dessa situação na Europa é pela crise financeira e endividamento necessário para resgatar o sistema financeiro. O nível de endividamento dos PIGIS como um todo vinha caindo até 2007, você não sabe o real problema econômico, que é o desequilíbrio comercial e produtivo entre os páíses do bloco. Alemanha dominante se beneficiou ao longo dos anos pela adoção dos outros países ao Euro (Marco Alemão). Caso você não acredite sobre esses dados leia em livros como o mais novo de Paul Krugman, e se informe mais antes de realizar uma análise dessas. Em relação ao brasil, não há corrente de pensamento econômico que se aproxime de nada do que é feito aqui, é puro jogo político e tapa buracos. Os Eua imprime o dinheiro que quizer e mesmo assim o juros ta na casa do 1%, portanto sustentável a dívida. O problema norte americano é o desemprego elevado, pois a produção industrial ja está de volta. Entãio deve-se gastar mais em formação bruta de capital, pois atualmente os gastos s]ão apenas correntes, e como keynes explicou com efeitos limitados e não suficientes para a recuperalção economica. Abraço.

Victor Pacheco disse...

Eu concordo que entre as várias causas da crise, as que vc apontou são alguma delas.
Inclusive eu li o livro do Krugman, assim também como li (só sobre a crise) Raghuram Rajan, Kenneth Rogoff, Niall Ferguson, Scott Peterson, Noriel Roubini, Robert Shiller, Joseph Stiglitz, Acemoglu, Blanchard entre outros... basicamente todos abordam a causa de um ângulo, às vezes coincidente, às vezes não, as vezes causas imediatas, outras mais estruturais. Enfim obrigado, vou continuar me informando, pois como dizia Voltaire, só os idiotas têm certeza. Né verdade ?

Anônimo disse...

Certo, não exite verdade absoluta, ainda mais em uma ciência não exata.

Anônimo disse...

Queria agradecer o leitor MARADONA. Eu fui o leigo do comentário.
Depois que comentei fiquei pensando e cheguei próximo do que o Maradona disse.
Resultado: aprendi mais um pouquinho.

Obrigado a todos e ao Drunk pelo blog.